sábado, 19 de novembro de 2011

Perder

Foi quase um ano de luta... e ontem... perdi-o. Os seus olhos encheram-se de lágrimas enquanto ele esperava para dar o último adeus à minha mãe. Foi amado, mesmo nas suas embirrices... como não podermos tomar banho depois das 20h (miava pela casa até sairmos da banheira). De deixar o rabo espalhado pela casa e não o guardar junto a ele. De ficar em cima do aquecedor e ele é que mandava.

A perda é sempre dificil para mim, e ele esteve lá numa das piores alturas da minha vida e ontem... foi a sua vez. O seu corpo já estava frágil, magro e débil, mas mantinha o nariz mais lindo que já vi. 



Obrigada ao Jaime, sempre por ter-me dado o gato mais do Estoril que conheci.

8 comentários:

  1. Já me fartei de chorar. Mas, espero que ele tenha-se sentido amado, e cumprido a sua missão. Obrigada a todos.

    ResponderEliminar
  2. perder alguem que sempre fez sentido na nossa vida, é como perder parte de nós.
    fica a memória guardada para sempre no coração e a memória fotográfica para sempre em flashes continuos na cabeça.
    foi feliz e nós fomos felizes com ele <3

    ResponderEliminar
  3. os gatos devem ser um pouco como certas estações do ano, mas na nossa vida... aparecem e estão tempo suficiente para nos fazer viver algo... e assim, de repente, vão e deixam parte do nosso passado num sítio que já só existe na memória, mas nos deixa um novo espaço aberto para coisas diferentes e construção de novas memórias.

    mas verdade seja dita, era um gato cheio de estilo :P

    ResponderEliminar